quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Decisão

Ponte inspira. Pássaros e natureza, idem. Mas alguma coisa não bate



"Quando você precisa tomar uma decisão e não a toma, está tomando a decisão de nada fazer" (William James, acho)

Eu tomei a minha, Diário. Dói, como todo aprendizado. Tomar decisões, principalmente as corretas, é um aprendizado sofrido (redundância), não é exatamente abrir a geladeira e escolher entre água ou refresco. É sempre mais fácil esperar que as coisas aconteçam ao sabor do destino - pra quem acredita nele, claro, como eu - do que optar por algum caminho.
Os acontecimentos me levaram a um, cheguei ainda a andar alguns metros nele. Mas decidi recuar, não sei se tarde demais. Só sei que decidi. Era uma estrada até cheia de atrativos, fascinante, só que não muito firme. Eu não conseguiria ir muito longe sem alguém segurando a minha mão e me guiando.
Poderia chegar a Shangri-lá? Talvez. Mas o Chefe me ensinou que nem sempre o caminho mais bonito, prazeroso e fácil é o melhor. Tudo pode não passar de uma ilusão.

Um comentário:

Cyntia Barrozo disse...

Tomar decisão é fácil. Dificil é manter-se nela. Decida ficar decidida, pois "a melhor decisão é nunca volta atrás quando tomamos uma boa decisão" (Cabide Xavier, acho)

hihi