terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Aprendendo a me virar sozinha

Já vai ser um sucesso e tanto se a cozinha não explodir!

Desculpááááááá, Diário! Andei ausente demais, mas é que eu tava bem ocupada tentando não morrer (rá! =P) de fome e tentando não pedir ajuda dos universitários. Nem uma coisa nem outra aconteceu, mas posso dizer que houve um certo progresso. Como disse no post Varrendo a alma, não sou nem um pouco prendada, mas devido ao recente choque de realidade, decidi começar a encarar esse pesadelo de frente. Já consigo me dar ao luxo (me dar "ao" ou me dar "o"? Estudar gramática djá!) de não ir almoçar nas casas alheias aos fins de semana. Isso, sim, é que é progresso! Tudo bem que ainda estou na fase da comida "rápida e prática", mas veja só o que eu descobri - nem tudo que é rápido e prático é tão prático como se afirma e, principalmente, saboroso.

Afff...E aprendi isso da pior maneira ao comprar molho branco - que eu adoro - pronto. Que coisa detestável. Engoli em seco (engoli "em" ou engoli "a"? Égua, tô péssima hoje) e prometi a mim mesma deixar de ser...assim, como dizer...tão "rápida e prática" e aprender aquela receita maravilhosa da minha amiga que mora em Londrina, a Gisele.

Outra coisa que descobri é que a louça não é auto-limpante. Tá até agora, à meia-noite de terça para quarta-feira, 25 de fevereiro, esperando por mim, que a sujei ao meio-dia de segunda. Mas meu lema é "devagar e sempre", um dia eu chego ao nível de excelência. Não tenho pressa, já que, como dizem, se o futuro é a Morte, tenho toda a eternidade pela frente. rsrsrs


terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Existe vida após a Morte

Morta-viva!

Existe, Diário! Descobri! Depois te conto detalhes...

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Mudar é preciso

A Morte também pode ser bem humorada


Hoje acordei assim, Diário. Fora a dor de cabeça chata, que me incomodou durante todo o dia, acordei com vontade de mudar minha...errr...estada aqui na Terra. Não sei o que foi que aconteceu, mas um desejo crescente de mudar minha postura sisuda, que afugenta tanta gente (segundo me dizem), de ter mais saúde, de me cuidar, de rir mais, de me gostar mais. Eu hein! Nunca senti isso antes.


De repente, cansei de arrastar correntes. De ser uma mera entidade fazendo única e exclusivamente o seu trabalho, sem esperar nada mais. Sem querer nada mais. Agora, eu quero. Quero aumento, hein, Chefe! (Brincadeira!!!) Acho que o Senhor já me deu esse aumento, mas só agora estou me dando conta. Antes tarde do que nunca.




domingo, 1 de fevereiro de 2009

Desistir ou insistir?

Ser ou não ser, eis a questão [2]

"Eu devo desistir, pra um dia ser feliz? Ou devo resistir? Eu devo insistir?"

Dia desses me peguei prestando atenção à letra dessa música, chamada Eu não sei amar,de Bruno Barreira. E percebi que me enquadro na situação. Diário, será que sou só eu que fica sem saber o que fazer - desistir, resistir, insistir? Pelo meu coração, que sempre mandou em mim, eu insisto! Pela minha razão...Eu desisto e resisto. Até quando? Como é que eu faço pra razão assumir o controle? A médica do SAMU disse que eu tenho que saber o que eu quero...hahahahaha! Não pede coisa difícil, tia!